Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Homem cozinha sim, e muito bem !!!
 Cozinha pequena
 Prato Fundo
 Chocolatria
 Releituras - crônicas, textos, biografias e etc...


 
Espelhos e enigmas


Decepção ñ mata, ensina a viver?

                                                                                  

         Nos dias atuais, com tanta modernização parece q já ñ dispomos do direito de sofrer por amor, por uma decepção, uma traição. É como se houvesse uma constante necessidade de q devemos esconder nossas dores e sentimentos, como se ao expor nossas mágoas estivéssemos tb mostrando nossa fragilidade e faltade maturidade. Será q estamos fadados a viver em eterna reclusão? Já ñ temos o direito de nos entregar a uma paixão? Aonde foi parar o romantismo? Onde está aquele amor q floresce como a primavera, q provoca o calor típico do verão? Será tão fácil assim manter o controle? A q ponto chegaremos se deixarmos nosso coração ser levado pelo poder da mente? Falando assim a impressão q fica é a de q sofremos por pura opção e ñ mais por sentimentos mal resolvidos, será q realmente será assim? Teremos esse total controle de julgar quando se é necessário sofre ou se abalar? Ñ, ñ vamos nos deixar dominar por esse mundo mesquino q nos prende cada vez mais a solidão. Q faz sufocar nossos desejos e sentimentos, q inibe nossas ações. Podemos sim sofrer por amor, por uma desilusão, mais q tenhamos tb forças para saber reconhecer nossos erros, levantar a cabeça e perceber q a vida segue, ou como dizem, q a fila anda.
Hj ñ quero deixar aqui apenas palavras, mais desejos de q tenhamos atitude suficiente para tomar o primeiro gole, dar o primeiro passo, sem q tenhamos receios ou medo do q virá adiante. Ñ vamos nos aprisionar nessa modernização q tenta dominar até mesmo nossos sentimentos. Vamos nos deixar entregar intensamente, mesmo q o momento seja breve, o q importa é q foi marcante enquanto durou.

 

                                                                                                  



Escrito por Paula Táboas às 22h58
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]